© 2016 por Malê edições. Criado por Francisco Jorge

Chamada para participação na publicação “Senti na pele”

    A publicação “Senti na pele” trata-se de um livro com depoimentos de brasileiros que foram discriminados racialmente e que, através de uma chamada realizada no facebook, resolveram relatar as situações de discriminação que viveram e marcaram suas vidas.  São adolescentes, adultos e idosos que rememoram suas experiências, devolvendo à sociedade um retrato do seu perfil excludente, desigual e opressor.  Pretende-se com o livro, possibilitar que os participantes reelaborem as situações vividas ao divulgarem o que viveram, deslocando-os da incômoda sensação de que não viveram o que sentiram na pele.  A sensação de não legitimação das reclamações advindas das situações racistas a que estão vulneráveis é resultado de um discurso que nega o caráter racista da sociedade brasileira, fazendo com que, em muitos casos, o ofendido sinta-se culpado pela agressão que sofreu e, em outros, esforce-se para negá-la, em uma tentativa de se afetar menos pelo ocorrido.  Pretende-se também que o livro sirva como objeto de conexão, para que outros negros brasileiros se sintam motivados a denunciar em todos os canais possíveis as agressões que sofrem e exijam que as leis que os protegem sejam cumpridas. 

 

    Hoje, com a evolução das leis que punem as atitudes racistas – fruto de lutas dos movimentos negros – e com a mobilidade social, muitas delas, resultados de políticas públicas – também conquistadas pelos movimentos negros, vemos aumentar o número de brasileiros negros que não se contentam em apenas sentir na pele e relatar aos seus próximos as agressões sofridas.  Vemos o aumento de registros policiais de casos de racismo e uma divulgação intensa nas redes sociais sobre esta triste característica de nossa sociedade.  As redes sociais potencializam o discurso de denúncia do racismo e amplia a identificação e encontro dos que foram vítimas dele, fazendo com que o que era vergonha e humilhação – atitude mais comum relatada pelas pessoas afetadas por atitudes racistas – se transforme em substância para remodelação da autoestima e do empoderamento, forjando, para os que poderiam se vitimar, uma nova forma de estar no mundo.   Neste cenário, vimos surgir em 2015 o projeto Senti na Pele, idealizado e comandado pelo jornalista Ernesto Xavier, em que vários depoentes, encontraram espaço na página do projeto no facebook para fazer da dor, arma de empoderamento e conexão com seus pares.  Inspirados por tão importante ação, que se opõe ao discurso de que não somos racistas, a Editora Malê resolveu publicar em livro estes relatos, como forma de dar corpo ao que eles denunciam, ampliar seu poder de divulgação e servir de documento deste nosso tempo, que não desejamos e atuamos para que se modifique.

 

A inscrição para a seleção dos depoimentos que serão publicados se dará, considerando os seguintes critérios:

 

1.     O prazo de inscrição é de 08 de julho a 08 de agosto de 2016;

2.    Envio das informações (nome completo, idade, profissão e endereço) para o e-mail livrosentinapele@gmail.com;

3.    Para a inscrição é necessário o envio, em anexo, do depoimento digitado em Word no padrão descrito a seguir:

a.    Texto de até duas laudas

b.    Fonte “times new roman”, tamanho 12

c.    Espaçamento 1,5

4.    Os inscritos que tiverem seus depoimentos selecionados autorizarão o uso dos textos na publicação;

5.    Os textos poderão ser editados;

6.    Todos os textos serão revisados respeitando o Novo Acordo Ortográfico da Língua Brasileira;

7.    A identificação do depoente apenas se dará caso ele autorize, do contrário serão utilizadas apenas as iniciais do seu nome.

 

* Parte da primeira tiragem será distribuída em bibliotecas públicas e escolares.

 

Participe!